Buscar

Ducati Streetfighter V4 - Review detalhado

No evento que acontece todos os anos na Italia, a fabricante de Borgo Panigale apresentou ao mundo as motos da linha 2020. A grande novidade ficou por conta da nova Streetfighter V4. A moto é equipada com o motor Desmosedici Stradale de 1.103cc V4 a 90º, derivada da recém lançada Panigale V4, com potência de 208cv a 12.500 RPM e 12,2 Kgf/m de torque a 11.500 RPM. Em comparação, a irmã maior e também aprimorada para linha 2020, a Panigale V4 tem potência de 214cv e 12,6 Kgm/f a 13.000 RPM.

Aproveitando a grande repercussão do filme "Coringa" nos cinemas, a fabricante afirma que a inspiração para o design foi o rosto e sorriso maléfico do personagem da DC. Isso é fácil perceber observando o farol e filetes de luz diurna totalmente em LED.



O conceito, além do design, foi pura e simplesmente pegar uma Panigale V4, retirar as carenagens, colocar um guidão alto e largo e manter um pacote elevado de eletrônica. O que a Ducati chama de formula para a luta (ou "The Fight Formula"): - Motor da Panigale V4 - Duas asas aerodinâmicas de cada lado - Pacote eletrônico também da Panigale V4 - 178kg a seco (199kg em ordem de marcha) na versão S e 180kg a seco (201kg em ordem de marcha na versão standard) - Guidão alto - Retirar as carenagens - 208cv de potência



Como esperado em nakeds desse porte, derivadas de superesportivas, a Ducati remapeou as respostas do acelerador, mapas de injeção e relação mais curta para dar à motocicleta um desempenho de 14% mais torque à 100km/h (torque na roda e em 3ª marcha) do que a própria Panigale V4! Se comparada com sua antecessora, a Streetfighter 1098, o torque é 31% maior!

Para domar toda essa cavalaria, a Ducati equipou a Streetfighter com um pacote de eletrônica avançado. São 3 mapas pré-programados: - Street, que reduz a potência da moto para 155cv e atuação mais forte no ABS e resposta do acelerador - Sport, com entrega de todos os 208cv e atuação progressiva do acelerador e ABS em curvas - Race, atua com um ABS mais permissivo para drift em curvas, e aceleração

Os pilotos podem configurar os modos de acordo com seu gosto pessoal também. Com assistência de uma central inercial (IMU) de 6 eixos, é possível controlar través do painel de 5" TFT totalmente colorido: Controle de tração, controle de derrapadas, controle de empinadas, controle de largada, mapas de entrega de potência, freio motor, ABS em curva, além de contar com o quickshifter up and down e todos os ajustes das suspensões eletrônicas (disponível apenas na versão S).



Na versão de entrada, as suspensões são o conhecido e confiável Showa Big Piston Fork de 43mm com ajustes manuais nas três vias (compressão, retorno, pré-carga da mola) na dianteira. Na traseira a suspensão Sachs também ajustável é fixada no motor através de um suporte de alumínio forjado. O amortecedor de direção também é da Sachs. Na versão S as suspensões recebem um upgrade com direito à garfo dianteiro Öhlins NIX-30 e suspensão traseira Öhlins TTX36, além do amortecedor de direção também da marca sueca, e todas ajustáveis eletrônicamente. Na versão topo de linha todas os ajustes de suspensão e inclusive o amortecedor de direção recebem ajustes eletrônicos e semi-ativos. Na prática, a suspensão "lê" a maneira que o piloto conduz a motocicleta e a condição do asfalto, e ajusta a suspensão automaticamente.



Para parar toda a velocidade e torque alcançado pela motocicleta, a Ducati equipou as novas pinças de freio monobloco Stylema da Brembo (Derivadas da top de linha M50). São 4 pistões que mordem dois discos de 330mm. Na traseira uma pinça com 2 pistões ficam a cargo de um disco de 245mm.

Claro que nesse lançamento a Ducati não poderia de deixar de equipar as famosas "asas" na Streetfighter. A primeira fabricante à introduzir as aletas aerodinâmicas na MotoGP, se orgulha em ser uma das primeiras a colocar o acessório em uma naked! E não são apenas um par de asas, mas sim dois de cada lado! As asas, não são somente um elemento de design, mas a Ducati afirma que as asas aumentam o desempenho aerodinâmico em até 28 kg de downforce à 270 km/h (20kg na dianteira e 8kg na traseira). Além disso, as asas também ajudam no arrefecimento à água e óleo do motor (de 2% e 10% de aumento no resfriamento respectivamente)



Se vocês acham que por alguma razão a Streefighter ainda não está forte o suficiente, a Ducati ainda disponibiliza um kit full de escapamento Akrapovic que eleva a potência à incríveis 220 cv (216 cv se considerado somente a ponteira) e reduz ainda mais o peso em 6kg (4kg somente a ponteira). O que a torna a naked mais potente do mundo!!! Lembrando que a Kawasaki acabou de lançar também a Z H2, derivada da superesrpotiva H2, com supercharger que chega à "apenas" 200cv.



Enfim, para os que pretendem extrair ainda mais da motocicleta, a Ducati ainda oferece como acessórios um kit GPS de contador de voltas para pista, um kit para análise de dados e GPS no melhor estilo MotoGP e kit multimídia (que o painel já vem preparado) para o piloto parear o celular e desfrutar de uma música, atender ligações ou receber mensagens.

As vendas da Ducati Streetfighter V4 começam na Europa em Março de 2020 com preço de 19.990 Euros na versão standard. Ou 22.990 Euros na versão S que conta com: Suspensões eletrônicas Öhlins e rodas forjadas de alumínio fundido Marchesini.


Texto por Thiago "Sushi" Okuda (#TO11)




0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo