Buscar

BMW S1000RR 2020 - Review detalhado

No vídeo que inauguramos o canal, vocês conferiram nosso review na pista do lançamento da BMW S1000RR 2020!


Abaixo vocês conferem a matéria completa com todos os detalhes técnicos da moto!


Não deixem de seguir nossa página no Instagram e canal no YouTube!

Instagram: @CanalSuperpole YouTube: https://www.youtube.com/channel/UCu1nexQMjBKIsvQM6hTvgbQ



10 anos se passaram desde o lançamento mundial do modelo superesportivo da marca Bávara. Assim como há 10 anos, a BMW surpreendeu o mundo com um modelo potente (188cv na roda) e embarcado com tecnologia de ponta. E agora não foi diferente, a nova S1000RR vem totalmente reformulada em sua 3ª geração.

Segundo os engenheiros da marca, a fabricante teve em mente dois quesitos para revitalizar o modelo: 1 - foco no cliente (deixar ela mais "friendly use", ou seja, mais na mão) 2 - bater a concorrência E sim, NECESSARIAMENTE nessa ordem!

Pra começar, o modelo foi totalmente renovado, desde o primeiro parafuso, passando por chassi, suspensão, motor, eletrônica e até o design. Deixaram de lado o farol e carenagens com linhas assimétricas, que era marca registrada do modelo desde o seu lançamento, e implementaram linhas simétricas e com design mais atual.

A iluminação é totalmente em LED, desde faróis, piscas (que agora foram integrados aos retrovisores), e um conjunto traseiro em que a lanterna de posição, pisca e luz de freio são incorporadas em uma peça só. Essa configuração é excelente para quem pretende entrar em autódromos, e basta retirar alguns parafusos para deixar ela pronta pra acelerar em autódromos. As guelras ainda acompanham o design do modelo, porém de forma menos chamativa e mais voltada para o desempenho, pois elas também ajudam na refrigeração do motor (cerca de 10%).


É possível perceber o cuidado que a BMW teve no desenvolvimento da moto tendo em mente a melhor usabilidade para os pilotos. O chassi desenvolvido, chamado de "BMW MOTORRAD FLEXFRAME" é feito em alumínio e é 1,4kg mais leve, isso permite que o tanque seja 30mm mais estreito. Combinado com semi-guidões mais largos, assento de melhor ergonomia e novas pedaleiras, faz com que o piloto tenha muito mais espaço e liberdade para se movimentar em cima da moto.

A nova balança equipada na moto é derivada da tecnologia do mundial de Superbike e é 11mm mais longa que a anterior. Em tese, uma balança mais longa, faz com que a moto tenha maior estabilidade em altas velocidades e menos poder de curva. Porém, com a geometria melhorada na dianteira faz com que ela também seja rápida e ágil na mudança de direção e contorno de curvas.



Falando um pouco de specs, a BMW tem 197kg a seco. Sistema de escapamento, chassi em alumínio, quadro em treliça, suspensões e até a grossura das carenagens, reduziram o peso da moto em 11kg. E seguindo a receita (- peso e + potência), o novo motor de 999cc, é capaz de gerar 207cv a 13.500 RPM, são 8cv a mais que a versão anterior. O torque de 11,52 kgfm a 11.000 RPM possui aquela alta elástica clássica dos 4 cilindros em linha. Só que na renovação do modelo e pensamento no cliente, a BMW desenvolveu o que eles chamam de "BMW ShiftCam", que nada mais é do que um sistema de comando de válvulas varíavel. Resumidamente é um sistema em que o motor muda de um perfil de came mais voltado para torque em baixas rotações, para um came com perfil mais "quente" e mais voltado para performance em altos giros. Essa configuração faz com que o piloto tenha disponível quase 90% do torque máximo já em 5.500 RPM. Na pilotagem se traduz em um comportamento mais linear e progressivo, e saídas de curvas mais rápidas.

Como desde seu lançamento o modelo foi marcado pela tecnologia embarcada, nessa renovação a S1000RR não poderia ficar pra trás de concorrência. A começar pelo quickshifter up/down que foi aprimorado para trocas mais rápidas e suaves*. (*no nosso vídeo de review, as motos não estavam ajustadas perfeitamente, conversei com um instrutor e mecânicos, e disseram que as motos só foram ativadas e levadas para o evento)

Uma mudança bem legal e em linha com a maioria dos modelos de alta cilindrada de outras marcas, é o painel de instrumentos equipado com um display colorido TFT de 6,5". Nela o piloto consegue navegar por todo o sistema de regulagens da moto. São 4 modos de pilotagem (Rain, Road, Race, Dynamic) que atuam nas regulagens: - Potência do motor - ABS - Respostas do acelerador - Ajustes de suspensão - Wheelie control - Freio motor - Controle automático de freios - Controle de tração (que antigamente era uma unidade fornecida pela Bosch, e alterado atualmente pela unidade da Continental por ser mais leve e compacto)



Além desses módulos, a BMW para o Brasil resolveu equipar a S1000RR com o pacote "Race Pro", equipado somente na versão top de linha "M" lá fora. Esses módulos abrem ajustes mais finos de todas as regulagens, e você pode customizar todos os controles de acordo com seu gosto pessoal. São 4 níveis de wheelie control, 3 níveis de freio motor, 4 níveis de resposta do acelerador, 5 níveis de ABS, e suspensões que merecem um capítulo a parte.



As suspensões equipadas são Marzocchi de 45mm que podem ser ajustadas eletronicamente na compressão e retorno, o ajuste da pré-carga da mola é manual. O que é uma vantagem para quem quer um ajuste mais refinado da pré-carga. A tecnologia embarcada nas suspensões seguem o famoso Dynamic Damping Control, que "lê" o asfalto e o modo de condução e regula automaticamente a suspensão. Na prática, por exemplo em uma condição urbana, a regulagem fica mais macia e suave e copia melhor as irrregularidades do pavimento. Com uma progressão para uma tocada mais esportiva em uma rodovia, por exemplo, a suspensão vai progredindo e endurecendo. Ou seja nessa configuração de uso a suspensão tende a ficar 90% dinâmica e 10% estática. Nos modos Race Pro, você pode configurar a suspensão para ela ficar 10% dinâmica e 90% estática. Isso permite que a sensação com a suspensão seja mais consistente, pois na pista o asfalto é mais regular e previsível.

A suspensão traseira, feita pela Sachs, é o novo Full Floater Pro Shock. Agora ele está montado à 90º e mais afastado do motor. Essa configuração deixa a suspensão menos suscetível ao calor gerado pelo motor, o que pode gerar em um funcionamento com pior performance. A suspensão montada à 90º permite que a motocicleta mantenha a trajetória da curva de maneira muito mais eficaz e sem esforços.



Os freios da antiga S1000RR eram Brembo e tinham uma "mordida" muito brusca de primeira. Para o novo modelo, e novamente pensando na usabilidade dos pilotos menos experientes, os freios foram trocados para uma combinação Nissin (bomba), Hayes (2 pinças com 4 pistões) e Brembo (2 discos de 320mm). Na traseira uma única pinça Brembo com disco de 220mm. Essa configuração permite uma frenagem muito mais progressiva e sensitiva por parte do piloto, que consegue dosar os freios de maneira mais linear.

Falando em uso esportivo, a moto permite uma pilotagem mais refinada, menos cansativa, e até mais rápida, pois você consegue entrar mais lançado nas curvas.

Somente a título de informação, o pacote "M" vendido lá fora, que antes era chamado de versões "HP". Reduz a moto em mais 3kg e é equipada com: - Modos de pilotagem Pro (de fábrica no Brasil) - Kit de ajustes no eixo da balança (similar ao da HP4 Race) - Novo assento - Bateria mais leve - Rodas em fibra de carbono



Resumindo um pouco, a moto tem muitos itens voltados para o uso urbano e rodoviário. Aquecedor de manopla, assistente de partida em ladeiras e até cruise control. Porém sem deixar de lado a exigência de pilotos mais experientes e que pretendem usar a moto em track day. Com certeza a marca consegue atingir os dois perfis de público e agradar com louvor quem busca os dois tipos de experiência.

A S1000RR 2020 vem nas cores Vermelho Racing e Prata Metálico, as duas por R$91.950. Por enquanto a versão tricolor (que equipa a versão "M" lá fora) não vem pra esse primeiro line-up.


Texto por Thiago "Sushi"Okuda (#TO11)


4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo